O blog que pretende lutar contra a mais repugnante manifestação de bestialidade humana. Aqui, toureiros, forcados, ganadeiros, sádicos, pedófilos, bombistas suicidas, etc... Não são nada bem vindos. Se tourada é cultura, canibalismo é gastronomia
.posts recentes

. Touradas proibidas na Cat...

. A Tauromaquia e a Extrema...

. Uma questão de cultura - ...

. Viva la muerte

. Dalai Lama considera tour...

. EDUCAÇÃO PARA A MORTE

. Catalunha anti-taurina - ...

. Petição por Setubal anti-...

. Ainda as contradições do ...

. O bloco de Esquerda e as ...

.arquivos

. Julho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.antitaurino
Quinta-feira, 5 de Junho de 2008
Chegou a Hora! Aproxima-se o princípio do fim da tauromaquia

 

Este foi de facto um mês memorável! De uma assentada, e no espaço de um mês, a tauromaquia perdeu quatro patrocinadores de peso (CGD, Unicer, Kodak e Ben & Jerry’s) e numa decisão histórica cujo acordão fará com toda a certeza jurisprudência, o tribunal deu provimento a uma providência cautelar apresentada pela “Animal”, impedindo a RTP de transmitir uma tourada.
Por esta altura, o inimigo sangra, chora e grita de dor! Contorce-se de raiva e zurra de ódio e ira. É pois chegado o momento (agora que se sentem vulneráveis e enfraquecidos), de enclausurar o inimigo no interior dos curros e espetar-lhes algumas bandarilhas dolorosas no dorso, de preferência com requintes de malvadez, impedindo que se levantem e recuperem. Agora que estão enfraquecidos e desorientados, será mais fácil abrir umas tantas feridas.
 Chegou a hora! O nervosismo, desilusão e tristeza apoderou-se e tomou conta dos tauromafiosos, sentem o chão a fugir-lhe debaixo dos pés.
Perguntar-me-ão! Mas como? Pois bem, esta é a estratégia que deve ser seguida e apontada desde 2002 pelo professor António Alberto Silva:
·         Proibição de toda a publicidade alusiva a espectáculos tauromáquicos;
·         Proibir que entidades públicas (meios de comunicação social inclusive) ou ligadas à administração do estado (autarquias inclusive) se envolvam em espectáculos desse tipo ou em actividades a eles ligadas;
·         Aplicar impostos específicos a algumas actividades e produtos, designadamente nos bilhetes das touradas;
·         Obrigação de incluir em todos os materiais audiovisuais relacionados com tais espectáculos, menções do tipo “espectáculo violento, gravemente lesivo do bem-estar dos animais”;
·         Proibir a participação e visionamento de tais espectáculos a menores.
É por aqui que devemos enveredar, e não por dar passos mais largos do que as pernas podem suportar.
Clamar neste momento pela abolição e pela ilegalização, é criar focos de insubordinação e tentativas de vitimização, é dar azo à criação uma centena de pequenos “Barrancos” pelo país que, como se sabe, desafiaram a lei, e perante um estado fraco e um ministro moribundo, souberam-na contornar de forma habilidosa.
Importa também referir que o último bastião da tauromaquia, concentra-se agora em dois importantes redutos. O Partido Popular (ver a propósito da proibição da transmissão da tourada pela RTP as declarações publicas do Eurodeputado Ribeiro e Castro), que está hoje impregnado de defensores da direita ortodoxa, bolorenta, arcaica e paroquial, abandonando para sempre os valores de uma direita ideológica em que acredito, moderna, progressista e liberal e finalmente a Igreja Católica Apostólica Romana, a mesma que se autoproclama humanista, misericordiosa e tolerante, mas que por ironia organiza touradas para angariar dinheiro manchado de sangue, para erguer igrejas e para alimentar o ímpeto festivo em honra de um qualquer santo (quais lobos travestidos de cordeiros!).
Por último, deixem-me que vos diga:
PREPAREM-SE QUE ESTA LUTA VAI AZEDAR!
publicado por antitaurino às 20:09
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 4 de Junho de 2008
VITÓRIA - ASSOCIAÇÃO ANIMAL TRAVA TRANSMISSÃO DE TOURADAS PELA RTP1

Tribunal de Lisboa proíbe RTP de emitir “44.ª Corrida TV” no próximo Domingo antes das 22h30m e sem a difusão permanente de um indicativo visual apropriado que a apresente como um programa violento capaz de influir negativamente na formação da personalidade de crianças e adolescentes.

Providência cautelar interposta pela ANIMAL julgada procedente pela 12.ª Vara Cível de Lisboa – 1.ª Secção em sentença notável do tribunal, numa acção judicial pioneira da ANIMAL para restringir a exibição televisiva de touradas pela RTP com vista a prevenir os perigosos efeitos deseducativos do visionamento de touradas para crianças e adolescentes e a mensagem de aceitação da violência contra animais como algo de normal e aceitável que estas enviam

A RTP foi hoje notificada pela 12.ª Vara Cível de Lisboa – 1.ª Secção do despacho da decisão tomada na passada 6.ª feira, 30 de Maio, por este tribunal, que julgou procedente uma providência cautelar interposta pela ANIMAL com vista a impedir judicialmente a RTP de difundir a 44.ª Corrida TV (cuja emissão em directo, a partir das 17 horas do próximo domingo, 8 de Junho, tem estado a ser largamente anunciada pela RTP) antes das 22h30m e sem a difusão permanente de um indicativo visual apropriado que indique que as touradas são programas violentos susceptíveis de influir negativamente na formação da personalidade de crianças e adolescentes (afectando esta decisão todos os canais da RTP).

Este procedimento cautelar interposto pela ANIMAL fundou-se, desde logo, no disposto no n.º 4 do artigo 27.º da Lei n.º 27/2007, de 30 de Julho (Lei da Televisão), que estabelece que “quaisquer […] programas susceptíveis de influírem de modo negativo na formação da personalidade das crianças ou de adolescentes, devem ser acompanhados da difusão permanente de um identificativo visual apropriado e só podem ser transmitidos entre as 22 horas e 30 minutos e as 6 horas”. Como consequência desta decisão, a RTP está ordenada pelo tribunal a abster-se de emitir a “44.ª Corrida TV” nos termos em que a tinha programada e a tem anunciado.

A sentença proferida foi verdadeiramente notável, deixando apurada como matéria de facto provada um conjunto de alegações avassaladoras contra a exibição televisiva de touradas e contra os perigos que esta representa – justamente pela violência contra os animais que exibe, glorificando-a.

Ouvidas as testemunhas arroladas pela ANIMAL – contando-se entre estas testemunhas dois psicólogos clínicos e um biólogo e professor universitário de etologia (ciência que estuda o comportamento animal) –, o tribunal deu como provado que o visionamento de touradas televisionadas é, pelo menos, susceptível de ter uma influência negativa e deseducativa na construção e no desenvolvimento da personalidade de crianças e adolescentes, transmitindo-lhes a mensagem de que torturar um animal, fazer disso espectáculo e exibi-lo televisivamente (entrando estas imagens e esta mensagem pela “casa de crianças e adolescentes adentro” e em horários televisivos perfeitamente acessíveis a uns e outros) é aceitável e normal. A ANIMAL alegou – e o tribunal deu como provado – que o visionamento de touradas, especialmente quando exibidas na televisão em horário irrestrito, expõe crianças e adolescentes a um processo de dessensitização relativamente ao sofrimento dos animais (e também ao sofrimento de humanos), sendo a inflicção de sofrimento ali apresentada como um espectáculo legítimo, aparentemente artístico, em que a tortura de animais é louvada como esteticamente apreciável e moralmente neutra, e cuja respeitabilidade é tão grande, que aquele espectáculo chega a ser emitido televisivamente e a horas irrestritas – de fácil acesso a crianças e adolescentes (sendo exemplo disso as 17h, hora para a qual estava programada a exibição desta tourada).

O tribunal deu também como provado que, ao mesmo tempo que o Estado Português, através dos manuais escolares aprovados pelo Ministério da Educação, incorpora no conjunto curricular de mensagens educativas e formativas nos vários níveis de ensino a mensagem de que as crianças e os adolescentes devem respeitar e proteger os animais e a natureza, contraditoriamente, o Estado não só autoriza ainda a prática de touradas – o que vai contra as mesmas mensagens educativas veiculadas nos manuais escolares e que constituem tema de tantos trabalhos de turmas e alunos por todo o país na disciplina de “área projecto” –, como também, através da estação de televisão estatal, exibe espectáculos de violência contra animais como é o caso das touradas, e fazendo-o a qualquer hora, transmitindo, assim, a mensagem negativa e absolutamente inversa ao que nas escolas se procura ensinar. Neste contexto, o tribunal deu como provado que estas mensagens contraditórias geram confusão no quadro de valores que se pretende incutir às crianças, condenando, nas escolas, os maus tratos a animais, enquanto promove e glorifica, na televisão, esta violência. Ficou também provado que, dando-se o processo de aprendizagem essencialmente por imitação de comportamentos, as crianças e os adolescentes poderão ser susceptíveis de virem a imitar os comportamentos violentos que vêem glorificados nas touradas e que aí são apresentados como sinais de heroísmo, bravura e arte – não obstante o facto de serem comportamentos cruéis para com os animais.

publicado por antitaurino às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
.free counter
free hit counter
hit counter
.pesquisar
 
.Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31
.links
.relogio
.subscrever feeds
.mais sobre mim